Em SP, ladrões dão golpe em estacionamento e levam carro de cliente
SÃO PAULO - Em São Paulo, os golpistas estão aplicando uma nova modalidade de roubo. Vão a um estacionamento pago e retiram um veículo se fazendo passar por parente do dono do carro. Só na hora que o cliente volta para retirar o automóvel que o furto é percebido.
Foi exatamente o que aconteceu com a professora Vera Busch Neves Bezerra quando deixou o carro em um estacionamento na área central da cidade. Sete horas depois ela foi retirar o carro, que já não estava mais no local.
- Cheguei ao estacionamento, peguei o meu tíquete e cadê o carro? O carro não estava lá - conta a professora.
O manobrista disse que um homem foi ao estacionamento dizendo que era sobrinho dela e que tinha ordem para levar o carro. O homem falava ao celular e passou o aparelho para o manobrista. Do outro lado da linha, uma voz feminina mandava entregar o carro para o sobrinho. Tudo não passava de um golpe.
- Quando ele me viu e descobriu que eu não havia autorizado a saída do carro, ele empalideceu. Ficou desnorteado. Na verdade, ficou tão desnorteado quanto eu. Eu pela perda e susto. Ele também ficou assustado por perceber que ele tinha sido ludibriado -
Agora, a professora quer ser indenizada.
- Eu entendo que quem deve pagar é o estacionamento. São eles que tem que ressarcir, afinal foi na responsabilidade deles que eu deixei o carro - reivindica.
No estabelecimento, ninguém estava autorizado a falar sobre o assunto. De acordo com o advogado João Biazzo Filho, os estacionamentos são responsáveis pelos carros.
- Independente de qualquer motivo, o estacionamento tem que pagar, porque a responsabilidade civil de guarda, mediante a Legislação Brasileira, é do estacionamento - garante Biazzo Filho.
O advogado alerta que todo motorista deve guardar o tíquete. Para a professora, que está com o tíquete, o manobrista foi negligente.
- Foi falta de malícia, falta de responsabilidade dele -
A lei também prevê que mesmo em estacionamentos gratuitos o dono é obrigado a indenizar o proprietário em caso de roubo do veículo. O Sindicato dos Estacionamentos de São Paulo lembra ainda que furtos, incêndios e colisões dentro do estabelecimento também devem ser cobertos pelo seguro.
FONTE: O Globo | Publicada em 10/03/2010 às 10h18m
v o l t a r